Paca

pa.ca/substantivo. Animal mamífero e roedor de hábitos noturnos, de pelame duro e eriçado, apresentando variações de coloração. (BUENO, 1898) Suas cores variam do vermelho ao cinza escura, sempre com manchas brancas na lateral do corpo. Possui quatro dedos nas patas dianteiras e cinco nas traseiras, com unhas afiadas.

Pegação

p e . g a . ç ã o / s u b s t a n t i v o. 1 . Relativo a pega de gado. 2. Bom para pegar gado. Uso: O menino cresceu, como sempre sonhara e, começou a virar vaqueiro e já montava em um cavalo alazão, bom de pegação (LOPES, 1992, p. 45).

Poços amazonas

Cacimba. Uso: A construção de do poço amazonas é o complemento da obra de captação que permite obter água livre do período mais chuvoso. (IRPAA, 2012)

Padecer

pa.de.cer/verbo. Sofrer. Uso: Os bichos... os bichinhos inocentes padecem das contingências da vida, no azar das doenças tidas e da inveja de gente do pensamento mau (LOPES, 1992, p. 50).

Peia

pei.a/substantivo. 1. Ferramenta de corda ou ferro com que se imobilizam as pernas dos animais. Uso: Eu calcei um par de esporas e passei a mão na peia. Peguei o mestiço à unha, rolei com ele na areia...(LOPES, 1992).

Poejo

po.e.jo/substantivo. Planta medicinal, também conhecida como hortelãozinho, muito utilizada no tratamento de diversas doenças como diabetes, má digestão, gripes e resfriados.

Padroeiro

p a . d ro. e i . ro / s u b s t a nt i v o. Segundo o costume católico, padroeiro é um santo quem é dedicado uma localidade, povoado ou templo (capela, igreja etc) (RIOS, 2009) onde a fé deste lugar gira mais em torno dele, anualmente sempre tem uma grande celebração para este santo.

Peiar

pei.ar/verbo. Colocar peia nos animais. Uso: Os meninos cuidam dos cabritos, ‘pastoram’ as ovelhas, peiam e vão buscar os animais (...).

Pomar de fruteiras

Terreno plantado de árvores de fruto (FERREIRA, 2014). Uso: Criação de galinhas, pomar de fruteiras e produção de sorgo. (IRPAA, 2010)

Pai-de-chiqueiro

substantivo. Macho de caprino ou ovino que não foi castrado para ser reprodutor. Uso: O tempo passou, o cabrito cresceu e foi para o mato virar pai-de-chiqueiro (LOPES, 1992, p. 45).

Peitoral

pei.to.ral/substantivo. Artefato de couro utilizado para proteger o peito do cavalo dos garranchos, espinhos e chifradas e que também contribui para evitar que a sela escorra no lombo da montaria. Uso: O animal amarrado no pau do terreiro é arriado: bride, pele,  sela e peitoral (LOPES, 1992, p. 26).

Ponga

pon.ga/substantivo. 1. Se aproveitar do outro. 2. Pegar carona pelo o que o outro fez. Uso: Se chegando, se chegando,pegando ponga, assuntando tudo, o jeito que os homens têm (LOPES, 1992, p. 71).

Paiósca

pai.ós.ca/substantivo. Pequena moradia indígena, onde suas paredes são feitas de barro e o teto coberto de palhas de licuzeira. Um exemplo de paiósca está na praça da aldeia Mirandela, que serve como espaço para realização de eventos e encontros da comunidade.

Pelejar

v. insistir. Ex: Já pelejei para ele voltar para casa.

 

Pontinho

s.m. embaixadinha. Ex: Ele sabe fazer pontinho.

 

Palerma

s.m. vagaroso, desatento. Ex: Esse homem é um palerma.

Penha

s.f.  grávida. Ex: Descobriu que a namorada ficou prenha.

 

Porreta

por.re.ta/adjetivo 1. Potente. 2. Muito bom. Uso: Uma bicicleta, um revólver ‘aniquilado’, um rádio porreta, tudo isso, com fé em Deus, cebola vai dar (LOPES, 1992, p. 80).

Palma

s.f. cacto que cortado serve de alimento para os animais. Ex: Já cortou a palma para o gado?

 

 

Penitente

pe.ni.ten.te/adjetivo. 1. Aquele que está cumprindo uma pena. 2. Que se pune ou se arrepende. Uso: Mato do lobisomem, das almas penitentes, do baticum doscaboclos-do-mato e dos viventes (LOPES, 1992, p. 29).

Porteira

por.tei.ra/substantivo. 1. Entrada de curral, chiqueiro, cercado, feito de madeira. 2. Implemento de vedação ou de franquia de tráfego, instalado em cerca de curral ou em divisória de pastos ou depropriedades rurais (ABC do Vaqueiro, 2014). Uso: As ovelhas então: estas baixam a cabeça e lá se vão por esse mundo sem porteira (LOPES, 1992, p. 24).

Palpitar

pal.pi.tar/verbo 1. Dar palpite. 2. Opinar. Uso: Todo mundo tem voz no palpitar assunto do conhecimento, sem distinção de posse.

Penosa

s.f. galinha. Ex: No almoço tem penosa.

 

Poste

s.m. pau usado para sustentar a cerca. Ex: Amarre o animal no poste da cerca.

 

Pancuê

s.m. barriga grande. Ex: Esse pancuê é só de tomar cerveja.

Pequi

pe.qui/substantivo. É uma árvore nativa do cerrado brasileiro, cujo fruto é muito utilizado na culinária sertaneja. Dele é extraído um azeite denominado azeite de pequi. (BUENO, 1898) Seus frutos são também consumidos cozidos, puros ou juntamente com arroz e frango. Seu caroço é dotado de muitos espinhos, e há necessidade de muito cuidado ao roer o fruto.

Pote

Pote. sm. recipiente para água usado na zona rural.

 

 

Pantim

s.m. assombração. Ex: Essa casa é cheia de pantim.

 

Pereiro

pe.rei.ro/substantivo. N.E. Bot. Árvore da família das apocináceas (Aspidosperma pyrifolium), de pequeno porte e muito difundida pela caatinga, e que às vezes é simples arbusto. As folhas são pequenas, não ultrapassando 5cm; os folículos medem apenas 4 a 5cm. Não tem valor como fonte de lenho útil.

Povoado

p o . v o . a . d o / s u b s t a n t i v o . Pequeno lugar constituída por poucas casas ou seja, uma pequena povoação (BUENO, 1898). É geralmente um assentamento humano rural. Uso: O povoado este ano ficou um pouco vazio, o povo foi para São Paulo.

Papa-Pinto

pa.pa-pin.to/substantivo. É uma cobra grande, chegando a medir 2,00m. Caça durante o dia, geralmente em brejos, utilizando a língua e a visão para localizar a presa. Quando irritada, infla a parte do corpo perto da cabeça para dar a impressão de ser maior, com intenção de intimidar o predador. Seu nome se pelo fato dela invadir galinheiros e comer pequenos pintos.

Perneira

per.neir.ra/substantivo. Peça do vestuário do vaqueiro em forma de calça utilizada para proteger as pernas contra espinhos e galhos de árvores. Uso: As perneiras que cobrem as pernas do pé até a virilha são presas na cintura para que o corpo fique livre para cavalgar.

Praça

pra.ça/substantivo. 1. Adquirir posto militar. 2. Transformar-se em soldado (Esmeraldo Lopes). Uso: O cabra vai para o mundo arranjar emprego, botar praça no exército ficar com os ombros cheios de galão (...) (LOPES, 1992, p. 68).

Papeira

 

s.f. caxumba. Ex: Ele tá de papeira.

 

Pernoitar

v. passar a noite. Ex: Pernoitou na casa da sogra.

Prato

s.m. peso que equivale a cinco quilos. Ex: Comprou um prato de farinha de Sergipe.

 

Parêa

pa.rê.a/substantivo. Duas coisas, um par de alguma coisa. Uso: Joaquim tem uma parêa de boi.

Perpetona

adj. pessoa desastrada. Ex: Cuidado com o vidro, perpetona.adj. pessoa desastrada. Ex: Cuidado com o vidro, perpetona.

 

Preá

s.m.  roedor parecido com rato e vive nas mancambiras. Ex: Foi caçar preá.

 

Parelha

pa.re.lha/substantivo. 1. Se igualar em uma competição. 2. Estar no mesmo nível, ser páreo. Uso: Se batem de ombro no mesmo serviço de parelha.

Pescada

p e s . c a . d a / s u b s t a n t i v o . [Ictiologia] Peixe de escama, teleósteo gadídeo, de carne leve e muito usada na alimentação. (FERREIRA, 2014) Uso: As mulheres preparam a pescada o tucunaré. (IRPAA, 2010)

Prece

pre.ce/substantivo. 1. Súplica dirigida a Deus; oração. 2. [Por extensão] Súplica a qualquer pessoa. (FERREIRA, 2014) Uso: As mulheres que silenciosamente balbuciava preces. (IRPAA, 2010).

Parição

pa.ri.ção/substantivo. 1. Período do ano em que o criatório pare. 2. Muitos partos. Uso: Por falar em parição, uma história.

Peta

pe.ta/substantivo. Espécie de bolo leve de tapioca. (FERREIRA, 2014) Uso: Hoje nós faz a peta, o sequilho, a broa e vendemos para as escolas. (IRPAA, 2011). 

Prece de São Gonçalo

Expressão adjetiva. Festa religiosa. Espécie de baile ao ar livre em frente da imagem de São Gonçalo. (FERREIRA, 2014) Uso: As pessoas fazem a prece de são Gonçalo para a parecer um olho d’água. (IRPAA, 2010).

Parida

pa.ri.da/adjetivo. Animal ou pessoa que pariu recentemente. Uso: A criação sai por aí prenha ou já parida, andando por todo lado (LOPES, 1992, p. 43).

Piaba

pi.a.ba/substantivo. 1. Pequeno peixe de água doce (RIOS, 209) de cor brilhante, prateada pode atingir até quarenta centímetros de comprimento e 1,3 quilogramas de peso. 2. Coisa de pouca importância. (RIOS, 2009)

Precisão

pre.ci.são/substantivo. 1. Quando se está precisando de alguma coisa. 2. Necessidade. Uso: Não negar ao semelhante o atendimento no desespero, a ajuda na precisão.

Partilha

par.ti.lha/substantivo. Divisão dos animais. Uso: Pode ser branco, preto, acaboclado, baixo, alto, não importa o tom de voz, nem se cuida só do que é seu ou se trabalha por partilha (LOPES, 1992, p. 46).

Piador

s.m. tornozelo. Ex: Acordou com uma dor no piador.

 

Pregador

s.m. prendedor de roupa. Ex: Coloque o pregador na toalha.

 

Passadagem

s.f. acontecimento. Ex: Vou te contar uma passadagem que se deu comigo.

 

Pidão

pi.dão/adjetivo. 1. Pessoa que tudo pede aos outros. 2. Quempede muito. Uso: Berram um berro diferente daquele berro pidão, do tempo da seca.

Prenha

pre.nha/adjetivo. Animal que está grávida, esperando filhotes. Uso: A criação sai por aí prenha ou já parida, andando por todo lado.

Passadeira

s.f. tiara . Ex: Colocou a passadeira na filha.

Piega

s.f. chateação. Ex: Deixe de tanta piega perto de mim.

 

Presepada

pre.se.pa.da/substantivo. 1. Artimanhas. 2. Traquinagem. Uso: A sabedoria do sabiá e as presepadas de muitos e muitos animais e homens que se plantam na cabeça cabocla de nossa gente (LOPES, 1992, p. 10).

Passo

pas.so/substantivo. Lugar ou sítio por onde se passa de uma parte para outra. (FERREIRA, 2014) Uso: A terra é passo para outras comunidades de fora. (IRPAA, 2012)

Pilão

s.m. utensílio de madeira usado para pisar milho e café. Ex: O pilão ta no cercado.

 

Presépio

p r e . s é . p i . o / s u b s t a n t i v o . Representação com peças, que faz referência ao momento do nascimento de Jesus Cristo. (BUENO, 1898) Com o menino Jesus na manjedoura ao centro, o presépio apresenta o local e os personagens bíblicos que estavam presentes neste importante momento cristão. 2. Lugar onde se recolhe o gado (BUENO, 1898)

Pastagem

pas.ta.gem/substantivo. 1. Pasto. 2. Terra onde o gado pasta. (FERREIRA, 2014) Uso: O manejo de caatinga possibilita fazer pastagem para os animais sem derrubar árvores. (IRPAA, 2010)

Pilar

s.m. balcão. Ex: A garrafa  ficou no pilar dos potes.

 

Procedência

pro.ce.dên.cia/substantivo. 1. Ato de proceder. 2. Lugar de onde se procede, origem. Uso: Os homens não são inocentes, criaturas de razão tem que fazer procedência nas regras do Criador (LOPES, 1992, p. 15).

Pastoração

p a s . to. r a . ç ã o / su b st ant ivo feminino 1. Ato de pastorar animais. 2. Guiar. Uso: À gente sobra a trabalheira da pastoração, todo dia, dessas bichas desgramadas que não querem se apegar ao lugar (LOPES, 1992, p. 22).

Pilhéria

pi.lhé.ria/substantivo. 1. Pulha, gozação. 2. Conversa fiada. Uso: A rua é cheia de gente vadia que vive só de pilhéria, nos desandos da vida (LOPES, 1992, p. 69).

Proceder

pro.ce.der/verbo. 1. Agir. 2. Seguir. Uso: Precisa proceder no certo.

Pastorar

pas.to.rar/verbo. Vigiar os animais enquanto eles pastam, para acostumá-los em um pasto ou para que não fujam. Uso: Os meninos cuidam dos cabritos, ‘pastoram’ as ovelhas, peiam e vão buscar os animais (...) LOPES, 1992, p. 64).

Pinhão

s.m. planta de pequeno porte, seu fruto tem um leite que faz noda na roupa. Ex: A blusa ficou com noda de pinhão.

 

Processamento

pro.ces.sa.men.to/substantivo. Ato de processar, de formar um processo. (FERREIRA, 2014) Uso: As mulheres fazem o processamento dos peixes. (IRPAA, 2010)

Pastorear

Expressão adjetiva. 1. Ato de pastar. 2. Erva que serve para alimento de gado. 3. Pastagem. (FERREIRA, 2014) Uso: A gente coloca os animais no pasto e senta para conversar com os amigos. (IRPAA, 2011).

Pino

pi.no/substantivo. Na ordem, no lugar. Uso: Quem vai duvidar, se está tudo nos pinos?

Prosa

pro.sa/substantivo. 1. Conversa. 2. Pilhéria. Uso: - O quê moleque?! Você já viu, aqui, ninguém andá com essa prosa? Aqui é tudo de todo mundo, cabra! (LOPES, 1992, p. 25).

Patuca

s.f. 1. pacote. 2. Órgão sexual masculino. Ex: Guarde essa patuca na despensa. Menino, onde vai assim, de patuca de fora?

 

Pipocar

pi.po.car/verbo. Estourar. Uso: Os trovões pipocam estrondando o mundo.

Prosear

pro.se.ar/verbo. Conversar. Uso: Ricos? Lá, lá na rua, no prosear das calçadas, tem (LOPES, 1992, p. 18).

Paú

pa.ú/substantivo. Conhecido quippé. O paú é utilizado tanto em rituais religiosos, quanto no dia-a-dia.

 

Pipoco

s.m. estouro. Ex: Só ouviu o pipoco.

 

Prumo

pru.mo/adjetivo. 1. Estar em ordem. 2. Arrumado. Uso: Esporas nos pés, chicote na mão, montaria em prumo, toma-se o caminho da rua (LOPES, 1992, p. 26).

Pau-de-colher

s.m. árvore que serve de remédio para animal. Ex: Tirou uma rapa do pau-de-colher para dar par o borrego doente.

 

Piquetes

p i . q u e . t e s / s u b s t a n t i v o . Pequena estaca que se crava no terreno para marcar um ponto de trabalho topográfico. (FERREIRA, 2014) Uso: Marcação dos piquetes no solo. (IRPAA, 2012)

Puba

pu.ba/ substantivo. 1. Quando se coloca a mandioca água por um longo período de tempo ate ela amolecer e fermentar(BUENO, 1898). 2. Terreno úmido coberto com capim. Uso: Depois que a puba já esta molinha é só escorrer e colocar para secar.

Pau-ferro

s.m. árvore que dá bage e serve como remédio. Ex: Tomou água de pau-ferro.

 

Pisa

s.f. surra. Ex: Volte logo se não quiser levar uma pisa.

 

Pulgão

p u l . g ã o / s u b s t a n t i v o . [Entomologia] Gênero de insetos hemípteros que vivem como parasitas nos vegetais, a que sugam a seiva e por vezes causam graves estragos (caso da filoxera da vinha). (FERREIRA, 2014) (IRPAA, 2012).

Paú-quebra

Expressão metafórica. 1. Quando as coisas não acabam bem. 2. Quando começa uma briga, ocorrência de desacerto. Uso: É só bater com o dedo no notão que o pau quebra.

Pituim

s.m. mau cheiro, fedor. Ex: Aqui tá um pituim.

 

Pulseira

p u l . s e i . r a / s u b s t a n t i v o . Acessório de adorno.

Pavio

s.m. cordão feito de algodão, colocado no candeeiro para acender. Ex: Acenda o pavio do candeeiro.

 

Piula

p i . u . l a / s u b s t a n t i v o . Comprimido. Uso: Tomar‘piula-contra’, fazer os preparados na medida certa da doença conhecida e é só tomar (...) e O que é ruim do rádio é que ele come muita ‘piula’ (LOPES, 1992, p. 70).

Punhado

s.m. uma mão cheia de farinha ou feijão. Ex: Colocou um punhado de farinha no prato.

 

Peador

pe.a.dor/substantivo. Lugar em que se peiam as cavalgaduras. Uso: A homaiada, no terreiro,  ajeita os animais tirando-lhes os arreios, levando-os para o peador (LOPES, 1992, p. 20).

Planear

pla.ne.ar/verbo. Planejar. Uso: Vive em volta de casa sem planear andança longe.

Purrão

pur.rão/substantivo. Pote grande feito de barro.

Peba

s.m. 1. Tipo de tatu. 2. De má qualidade. Ex: Achou um peba no buraco. Essa bolsa é muito peba.

 

Plantas adaptadas

Expressão adjetiva. Uso: O cultivo de plantas adaptadas através de práticas e manejo que levam em conta o equilíbrio e a recuperação do meio ambiente. (IRPAA, 2010)

Purumba

pu.rum.ba/substantivo. Cesto grande utilizado para pegar peixes.

Peça

s.f. armário. Ex: Arrumou a peça da cozinha.

 

Plantio de substência

Expressão adjetiva. Sustento; alimentos. (FERREIRA, 2014) Uso: A gente só cerca a terra deplantio de subsistência. (IRPAA, 2010).

Puxa-encolhe

s.m. quando se muda de opinião ou de atitude. Ex: Vê se para com esse puxa-encolhe.

 

Pedagogia da alternância

Uma proposta pedagógica, intercala um período de convivência na sala de aula com outro no campo para diminuir a evasão escolar em áreas rurais. (FERREIRA, 2014) Uso: Pedagogia da alternância tem como base fundamental a ligação com a realidade do aluno, da família e da comunidade. (IRPAA, 2010).

Poço

po.ço/substantivo. 1. Pequeno lago onde se acumula água de chuva, sempre é utilizado sua água para afazeres domésticos quando potável e lugar onde pessoas podem tomar banho por não ser tão fundo. 2. cavidade para captação de água para consumo humano. (BUENO, 1898) 3. Altura do navio desde a aresta superior are o convés. (BUENO, 1898)

Universidade do Estado da Bahia - UNEB - Departamento de Ciências Humanas - DCH - Campus III
Rua Edgar Chastinet, s/n, São Geraldo - 48.905-680, Juazeiro - Bahia - Brasil
Desenvolvido por Kikovillar


  • parceiro03
  • parceiro 4
  • uneb_banner
  • banner  264 x 233 px 1