• Confira em nossa biblioteca
    Confira em nossa biblioteca
  • Flor de Catingueira
    Flor de Catingueira
  • Moringa | Kiriri
    Moringa | Kiriri
  • Sapato de Couro
    Sapato de Couro
  • Abano
    Abano
  • Cocho
  • Luva de couro
    Luva de couro
  • ...
    ...
  • Flor de Cansanção
    Flor de Cansanção

Diz-se, inicialmente, que poucos mundos são tão fascinantes para os lingüistas como o dos dicionários. Eles possuem regras particulares, em que se torna essencial a precisão e o conhecimento somados à sensibilidade. Sem esses requisitos, todo esforço pode ser perdido. Assim, pela importância da Lexicologia e Lexicografia o presente artigo trata do valor das ciências que se dedicam ao estudo das palavras e da elaboração e confecção de dicionários.

Tradicionalmente duas disciplinas estudam e descrevem o léxico: a Lexicologia e a Lexicografia. A primeira tem como foco central de estudo a palavra, a categorização lexical e a estruturação do léxico. Os lexicólogos têm voltado seus olhares aos diversos aspectos da formação das palavras e também da criação lexical.  A segunda, a Lexicografia, é a ciência dos dicionários, ou seja, da técnica de formatar as palavras nos dicionários.

Avistam-se em documentos históricos ser a prática lexicográfica muito antiga. Os primeiros testemunhos que se têm são glossários e nomenclaturas. Levando em conta como primeiro dicionário da história uma pequena lasca de pedra, com uma dúzia de vocábulos de um idioma obscuro, encontrada na antiga Mesopotâmia, conduz à compreensão de ter essa compulsão humana de listar palavras aproximadamente 2.800 anos, ou 28 séculos. De lá para cá, a evolução foi tremenda. Até o século XIV, por exemplo, as palavras eram organizadas não em ordem alfabética, mas em grupos de significados parecidos. Esse tipo de dicionário sobreviveu aos nossos dias. São os tesauros, dicionários de sinônimos ou de idéias correlatas. Ninguém, porém, traçou tão bem quanto Noah Webster (1758-1843), famoso lexicógrafo americano, quais devem ser os critérios fundamentais para separar as palavras dicionarizáveis das que não merecem essa glória. Todavia os primeiros dicionários que buscam uma relativa exaustividade são posteriores à invenção da imprensa.

Como as ciências necessitam acompanhar os avanços históricos, a Lexicologia e a Lexicografia andam a passos rápidos com o progresso. Os autores dos dicionários ficam, portanto, tributários das coerções do uso vivo das palavras em meio às comunidades linguísticas. Há verdadeiras revoluções no sentido de acompanhar, sempre de perto, as formas que vão sendo consagradas pelo uso e, ainda, acompanhar os avanços tecnológicos do século XXI.

Observa-se que a tarefa Lexicográfica não é de pouca ambição. É trabalho plácido, neutro em sua aparência de celeiro do idioma, com a matéria-prima disposta em ordem alfabética. Mas, em verdade, os dicionários escondem rivalidades terríveis. Os mais mansos chegam ao mundo com o objetivo de descrever como o idioma está sendo usado pelas pessoas em determinados períodos da História. Outros, como o Aurélio e o Houaiss, querem ser autoridades. São dicionários brigões, normativos, querem dar receita do bom uso da língua. Seus autores esperam que as pessoas recorram a eles em caso de dúvidas cruéis de linguagem. Dar a palavra final, ser a obra de maior credibilidade, é o grande prêmio. Poucos chegam lá. Já é um grande passo para um dicionário quando o nome do autor se confunde com a própria obra.

O primeiro dicionário da história ocidental a obter tal honraria foi uma lista de poucos milhares de palavras latinas compiladas pelo intelectual italiano Ambrogio Calepino em 1502. Seu Dictionarum fez enorme sucesso numa Europa sedenta de conhecimento que mal se erguia das sombras da Idade Média. Historiadores encontram frequentes referências à obra. Uma delas é a prova de que o dicionário fazia parte do cotidiano da elite letrada - menos de 1% da população européia de então. Um nobre inglês, morto em Lancashire, em 1568, registrou em seu testamento que deixava como herança, entre outros objetos de valor, seu “calepino”. Mais tarde, outros dicionários atingiram essa singularidade. O Covarrubias, na Espanha, e o Caldas Aulete, em Portugal. O Johnson e o Webster nos países de língua inglesa. O Aurélio no Brasil.

Desde sua primeira edição, há 27 anos, o livrão do professor Aurélio Buarque de Holanda Ferreira vendeu umtotal de 55 milhões de cópias em suas três versões. Talvez não deixe de ser sinônimo de dicionário. Mas vem dividindo o título com o Houaiss (pronuncia-se uáis), autor do Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, que levou uma década para ficar pronto e é resultado do trabalho de 140 especialistas brasileiros, portugueses, angolanos e timorenses. A obra é a materialização do sonho de Antônio Houaiss, considerado o maior filólogo do século XX em língua portuguesa, morto em 1999, pouco antes de ver o livro terminado. Diplomata de carreira, Houaiss foi ministro, presidente da Academia Brasileira de Letras e refinado gastrônomo. Mas nada absorveu mais sua existência do que a obsessão de ver publicado o mais completo dicionário da língua portuguesa.

Conseguiu realizar o sonho. Em números absolutos, o dicionário é imbatível. A versão em cd-rom, com um total de 228.500 verbetes, tem 68.500 a mais que o Aurélio e 28.500 a mais que o Michaelis, o outro competidor. Em Portugal, o dicionário da Academia de Ciências tem 120.000 verbetes. Só o tempo dirá se o Houaiss será aceito pelo grande público como a fonte primordial da língua viva falada hoje no Brasil - o olimpo que todo grande dicionário almeja. Impresso na Itália, com uma montagem de 3.008 páginas, em um único volume de 3,8 quilos, o dicionário Houaiss oferece um delicioso passeio pela linhagem revolucionária das palavras. Os vocábulos, assim como as pessoas, podem ser promovidos ou rebaixados. As palavras direcionam a vida.

DICAS DE GRAMÁTICA
É necessário paciência?
- Sim, pois em expressões formadas pelo verbo “ser” + adjetivo (empregado substantivamente), este último não varia, como nos exemplos: 
-    É necessário calma;
-    Ginástica é bom para a saúde;
-    É feio falta de respeito;
-    É proibido cigarros nesta empresa.
Explicação para o fenômeno é subentender-se um verbo nessas construções: “É necessário (ter) calma”, “(Fazer) Ginástica é bom para a saúde”, “É feio (agir com) falta de respeito” e “É proibido (portar ou usar) cigarros nesta empresa”. 
Agora, quando se acrescenta ao substantivo palavra que o determina, como artigo ou pronome, a concordância torna-se obrigatória: “A calma é necessária”, “Aquela ginástica é boa para a saúde”. “É feia a falta de respeito” e “Os cigarros são proibidos nesta empresa”. Em construções como “É necessário (fazer) muitos pontos para se ganhar o jogo”, em que o substantivo está no plural, à concordância é facultativa: “São necessários muitos pontos para se ganhar o jogo”.

Luísa Galvão Lessa – Pós-Doutora em Lexicologia e Lexicografia pela Université de Montréal, Canadá; Doutora em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ; Professora Nacional Sênior – Capes.

Universidade do Estado da Bahia - UNEB - Departamento de Ciências Humanas - DCH - Campus III
Rua Edgar Chastinet, s/n, São Geraldo - 48.905-680, Juazeiro - Bahia - Brasil
Desenvolvido por Kikovillar


  • parceiro03
  • parceiro 4
  • uneb_banner
  • banner  264 x 233 px 1